Grama é destaque na Revista Zebu – Março 2015

grama senepol

GRAMA E SENEPOL: histórias que se confundem

A história da Fazenda da Grama pode se dividir entre antes e depois do Senepol. Em comum nas duas eras, o resultado que sempre foi alcançado com muito trabalho, estudo e dedicação. Mas foi nos últimos 16 anos, a segunda era, que a marca se notabilizou como grande responsável pelo avanço da raça adaptada que mais cresceu no Brasil na última década, graças ao melhoramento genético promovido no criatório de José Antônio Fernandes Netto, com a coordenação técnica de Júnior Fernandes, cuja família participou da introdução da raça no Brasil e nunca mais parou de investir em pesquisa e inovação. Se existisse uma dívida do Senepol com uma marca, ela seria com a Fazenda da Grama. Mas isso já foi pago ao longo dos anos com gratidão, reconhecimento e valorização.

 

rub_4932

novilhas senepol PO

Desde a década de 1980 estabelecida em Pirajuí/SP, 414km da Capital, a Fazenda da Grama sempre diversificou sua atividade, mas foi na pecuária que se notabilizou com ações que contribuíram com o segmento no Brasil. Graças aos estudos desenvolvidos pelo médico veterinário Júnior Fernandes desde sua época de acadêmico, até se tornar doutor em reprodução animal e melhoramento genético. E essa sempre foi a busca da família, quando decidiu criar e recriar animais para corte na fazenda.

O objetivo era encontrar cada vez mais aptidões economicamente viáveis para agregar valor à sua produção, para abastecer a butique de carne criada pela família, em Jaboticabal/SP. Foram feitos vários testes, até a participação na formação de compostos para o cruzamento. Em 1999, o Senepol passou a existir na Grama, através do cruzamento industrial. Depois de muitas viagens e contatos com técnicos internacionais, Júnior Fernandes descobriu no Senepol um grande potencial genético, uma predominância decisiva para a adoção da raça caribenha no rebanho da Grama.

da esquerda para direita Jairo Ferreira Lima - Mário Gasperi - Junior Fernandes em Saint Croix

da esquerda para direita Jairo Ferreira Lima – Mário Gasperi – Junior Fernandes em Saint Croix

logo grama - 16 anos“A gente já desconfiava dessa força da raça e fomos atrás de tudo o que havia disponível de informação para termos certeza, não demorou muito e decidimos pelo Senepol”, lembra Júnior Fernandes. “Muitos acreditavam que estávamos dando um passo perigoso, mas o que estamos vendo hoje na raça aqui no Brasil mostra que estávamos certos”, orgulha-se o pai, José Antônio Fernandes Netto, conhecido por Zé Torneira, que passou a ser a identidade do Senepol da Grama, com a marca ZT.

Antes disso, no entanto, foi preciso passar por uma verdadeira saga, contada no livro “Senepol, Feito para o Brasil”, lançado pela ABCB-Senepol durante o Congresso Mundial da raça, em setembro de 2014, em Uberlândia/MG.

A Grama foi pioneira na importação de embriões de Senepol puro dos Estados Unidos, no ano 2000. Em parceria com outros dois criatórios, trouxe 700 embriões das melhores linhagens, que o próprio Júnior Fernandes escolheu junto com técnicos e criadores de diversos estados americanos.

Esse material genético deu origem ao rebanho ZT, único que nunca mais parou de selecionar, ano após ano, desde que a adotou. Assim que chegaram os embriões, em 2001, foram implantados nas receptoras também selecionadas e o resultado foi a evolução do rebanho próprio e de parceiros, que foram se unindo à Grama e se rendendo aos benefícios do Senepol. “A gente mostrou rapidamente que o Senepol era, mesmo, um animal extremamente indicado para a pecuária brasileira e o encantamento de outros criadores foi rápido e sólido”.

 

 

jrfernandes

“Beleza racial e dois testículos exuberantes não fazem de um macho, um produtor de sêmen. Por que então seria diferente no caso de uma Fêmea”

Junior Fernandes, Grama Senepol

 

 

 

Parceiros do Senepol

Dois desses criatórios – Fazenda Santa Helena e Genetropic – fundaram em 2007 com a Grama o grupo Parceiros do Senepol, com o objetivo comum de promover a seleção, multiplicação e distribuição apenas de indivíduos comprovadamente superiores, para fortalecer a utilização da raça naquilo a que ela se propõe: produzir carne em maior volume, com mais qualidade e em menos tempo.

 

Ilha de Saint Croix - Ilhas Virgems - Caribe - Origem do Senepol

Ilha de Saint Croix – Ilhas Virgems – Caribe – Origem do Senepol

 

“Foi ali que descobrimos que uma fêmea não pode ser doadora só porque tem dois ovários e um touro não pode ser reprodutor, melhorador só porque tem dois testículos”, define o técnico. Hoje, são 40 os criatórios que compõem o núcleo de vários Estados do Brasil e que se reúnem ao menos três vezes por ano para divulgação de resultados de programas e balanço do ano. Um desses programas foi um marco na criação de Senepol e para a pecuária do Brasil.

Safiras

Com a expansão do grupo, a Grama passou a abrigar o programa Safiras do Senepol, maior teste de qualificação de fêmeas Senepol PO do mundo, que recebeu o prêmio “Mario Gasperi”, outorgado pela Associação Internacional dos Criadores de Senepol (SCBA, na sigla em inglês) às ações que contribuem para o desenvolvimento da raça em todos os continentes. Em março deste 2015, mais uma edição do teste terminou, registrando um total de 1.150 novilhas de diversos criatórios do Brasil qualificadas desde 2009, quando o programa começou.

São avaliadas sete características zootécnicas, que envolvem reprodução, ganho de peso, eficiência alimentar e escore visual, feitas pelos técnicos de instituições como Universidade de Viçosa/MG, Unesp-Jaboticabal/SP, Instituto de Zootecnia (IZ), além de empresas como In Vitro Brasil, S+, Aval, Coan Consultoria e Intergado, que em parceria com a fazenda introduziu em 2013 na fazenda, exclusivamente para o teste, cochos eletrônicos para medição em tempo real de consumo de alimento e água, além de peso, e se tornou também referência em avaliação com precisão (veja mais à frente).

O programa também serviu de campo para descoberta do grande diferencial do Senepol para explicar sua adaptabilidade aos trópicos: a glândula sudorípara, que tem características que permitem ao animal uma sudorese que facilita a sua adaptação ao calor e aumento de produtividade. O estudo virou referência mundial e também consta do livro “Senepol, Feito para o Brasil”, que foi traduzido para o inglês e o espanhol.

Novilhas em Avaliação no Progama Safira

Novilhas em Avaliação no Progama Safira

Responsabilidade comercial

 

Vacas um quarto sangue paridas de Senepol - 1999

Vacas um quarto sangue paridas de Senepol – 1999

Cresceu o grupo, o programa e a responsabilidade dos criadores. Para incremento de um relacionamento técnico que promovesse a raça, foi criada a Senepol Mais (S+), que Júnior Fernandes fundou com os também veterinários Alex Marconatto e Luciano Aranha. É a empresa que assessora os criadores de Senepol por todo o Brasil, além de coordenar provas de performance para os touros jovens. “Só os melhores classificados em um ranking que nós criamos, com diversas premissas, é que podem ser vendidos nos eventos comerciais organizados pelo grupo ou fornecer embriões para compor lotes de leilões”, explica Alex Marconatto, também titular da Fazenda Santa Helena.

Touros Senepol - Rigor no processo seletivo

Touros Senepol – Rigor no processo seletivo

Com esse processo, apareceram ícones da raça que foram se destacando no mercado, mesmo muito jovens. Doadoras desde cedo ciclam naturalmente e produzem um grande número de oócitos, validando um grande número de embriões. A sequência disso ao longo dos anos promoveu o melhoramento genético hoje verificado nos criatórios integrantes do grupo e que tem uma procura muito grande do mercado por seus produtos, na fazenda ou em leilões.

 

 

 

Clone

 

"Grama 904" e seus Clones

“Grama 904” e seus clones

A identificação das melhores fêmeas da raça permitiu ainda outro pioneirismo ao criatório. É da Grama o primeiro clone do mundo, a TN01, fruto de transferência nuclear a partir da doadora “Loira da Grama”, que foi adquirida ainda bezerra pela fazenda e que ainda hoje, quase aos 12 anos, produz grandes doadoras da raça no Brasil. Outra delas é a Grama 904, que também já tem dois clones na fazenda.

 

"Loira da Grama" e seu clone

“Loira da Grama” e seu clone

O mais importante é que esses produtos de proveta não são considerados de imediato superiores. Todas passam por testes, como o Safiras do Senepol. TN 01 passou pelo programa e foi qualificada Safira Top 10 na edição 2014.1, terminada em agosto passado. As duas filhas da 904 também passarão pelo referido teste.

Como desde o início de sua existência, a parceria nessa e em outras questões também foi fundamental para o sucesso não só da marca, mas de todos os criatórios que comungam dessa filosofia.

 

Parcerias técnicas

 

Receptoras com bezerros Senepol PO ao pé

Receptoras com bezerros Senepol PO ao pé

Como fica claro na história da Fazenda da Grama, um dos segredos de todo resultado alcançado foi andar de mãos dadas com quem comunga da filosofia de responsabilidade e compromisso com a produtividade. Uma dessas parcerias é com a Paraíso Nutrição Animal, de Jataí/GO, que abastece mensalmente com produtos específicos a Fazenda da Grama e os programas ali desenvolvidos.

Rafael Martins, diretor e técnico da empresa, conta que essa parceria começou em 2012, com a elaboração das fórmulas exclusivas de rações desenvolvidas pela Coan Consultoria para as diversas categorias de animais da Grama. “É um atendimento personalizado”, comenta Rafael. “Tudo que existe de tecnologia hoje disponível na área de nutrição, com viabilidade para um rebanho de gado de corte é utilizado na Grama”, emenda, enaltecendo o fato de essa estratégia beneficiar os programas de avaliação realizados dentro da fazenda, como o Safiras do Senepol. “Todo mundo acaba ganhando com isso”.

É assim também com a Minerembryo, maior central de receptoras do Brasil. “Esse mercado com parcerias gera volume e qualidade e gera ganhos desde o processo básico até a venda e a entrega do produto”, declara Eduardo Muniz de Lima, o Mineiro, titular da empresa.

Mineiro revela que não fica um mês sem transferir embriões para a Grama. “O percentual de FIV significa quanto a raça cresce. É muita coisa. Envolve mercado e por isso afirmo que o Júnior e os parceiros dele são grandes responsáveis pelo crescimento da raça no Brasil”.

Esses embriões são produzidos pela In Vitro Brasil, outro parceiro comercial da Grama, que também atende muitos criadores. Em Pirajuí/SP, as visitas começaram há dois anos e o médico veterinário José Rodolfo Sabadin revela uma evolução muito nítida no rebanho da Grama, com fêmeas identificadas adequadamente como doadoras. “Essa identificação de indivíduos mais bem ranqueados num programa igual o Safiras possibilita iniciar mais cedo o processo de aspiração delas”, define. “E elas validam cada vez mais embriões com esse melhoramento genético, que é critério de seleção”. O que ele se impressiona é com a contribuição que esse processo tem dado à raça.

06Isso tudo só é possível por causa do rigor de seleção que envolve muitas avaliações, entre elas a que atesta a condição corporal das fêmeas. A medição desses escores é feita pela Aval, parceira da Grama no programa Safiras do Senepol. Yuri Baldini Farjalla é o responsável pelo exame de ultrassom que constata que as fêmeas, ainda muito jovens, já apresentam uma característica muito voltada à produção. “Elas são muito precoces, com carcaças já condizentes com a função de serem grandes mães”, afirma.

Uma das últimas parcerias firmadas pela Grama que seguiu essa linha de espalhar benefício para todos os participantes do Safiras foi com a Intergado, que instalou na fazenda os cochos eletrônicos que medem a eficiência alimentar. “Eles passaram a encarar essa avaliação como um parâmetro, não como um modismo e hoje o Safiras fornece dados para geração de DEPs dos touros”, comenta. “O benefício que isso gera para a raça não é só para a Grama ou para os envolvidos, mas para toda a pecuária nacional”, conclui.

 

Liquidez e valor

 

Depois de se cercar de todos os cuidados que permitissem encontrar animais melhores a cada geração, ficou mais fácil entender o crescimento da raça no País. Principalmente a sua liquidez e valorização nos leilões para atender uma demanda cada vez mais crescente. O sentimento de altruísmo da Grama foi tamanho que o seu primeiro leilão próprio só surgiu nos seus 15 anos de seleção. Foi em 2014.

No evento, realizado de forma virtual para que os compradores tivessem a concentração ideal para decidir sobre seus investimentos, foram disponibilizadas doadoras qualificadas e jovens, algumas que eram futuras doadoras e que hoje estão espalhando genética por criatórios do Brasil. O leilão atingiu média recorde superior aos R$ 70 mil, com mais de R$ 2,1 milhões de faturamento. “Mas o mais importante é que esses números são um reflexo do que o mercado reconhece do valor da seleção, não só da Grama, mas de todos que venderam nesse evento e em outros que a S+ coordenou e o grupo Parceiros realizou”, comenta Júnior Fernandes. Foram 13 os criatórios que venderam lotes no primeiro leilão da Grama.

A cada ano, o rebanho da Grama foi melhorando com esse rigor todo de seleção, que contagiou outros selecionadores do grupo. A própria raça se beneficiou disso. Prova maior da prolificidade do plantel de Senepol da Grama foram os últimos resultados de aspirações de suas fêmeas, muitas delas novilhas qualificadas no programa Safiras. Em fevereiro deste ano, 40 doadoras foram aspiradas na Fazenda da Grama e produziram 1.585 oócitos, validando uma média de 39,62 oócitos por fêmea. Em 2014, a Grama produziu um total de 4 mil embriões (3.200 para FIV e 800 para TE), que implantou em suas receptoras, ou distribuiu em leilões com ótima valorização, graças às linhagens consagradas que formou, ou também em parcerias espalhadas por todo o Brasil, para formação de indivíduos que vão formar touros para a pecuária de corte em grandes extensões. Teve também distribuição em doações.

Isso porque a Grama também criou, através da S+ e do grupo Parceiros do Senepol, em parceria com o projeto Viola do Bem, de Jaboticabal/SP, um leilão beneficente em prol do Hospital de Câncer de Barretos, que em 2013 transferiu valor superior a R$ 1 milhão para a instituição. Este ano, outro evento do tipo vai acontecer em dezembro.

Ações que pagariam uma dívida que o Senepol pudesse ter com uma marca, mas que fica quitada no sentimento da Grama, com a gratidão estampada em todos os negócios gerados por esses processos e histórias aqui contados.

Esta entrada foi publicada em Destaques, Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.